sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2009

O Atelier de Construção de Instrumentos Musicais de Corda (AIMC) é uma empresa constituída com o apoio do Programa Iniciativas Locais de Emprego do Instituto de Emprego e Formação Profissional, a funcionar desde 2006.

A empresa foi constituída por dois ex-formandos (António Duarte e Hugo Madeira) do Curso de Construção de Instrumentos Musicais de Corda promovido pela Câmara Municipal de Oeiras em 2001, no âmbito do Programa Escolas-Oficina do Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Aquele curso permitiu a aquisição de competências teóricas e práticas a nível da construção e restauro de violas, bandolins, cavaquinhos e guitarras portuguesas, serviços prestados actualmente pelo AIMC, tendo contado com o apoio do Mestre Gilberto Grácio, no sentido de perpetuar a arte de construção segundo o método tradicional utilizado e desenvolvido por três gerações da família Grácio.

O AIMC continua a contar com a coordenação e supervisão do Mestre Gilberto Grácio, bem como com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras nas instalações utilizadas no Parque de Ateliers da Quinta do Salles, sob gestão da Fundação Marquês de Pombal.


Destacamos com satisfação o facto do AIMC contar já com cerca de 100 clientes nacionais e internacionais, destacando-se as guitarras portuguesas construídas para clientes de países como a Índia, a Alemanha e o Canadá. A própria Presidência da República foi já um dos clientes do AIMC, que adquiriu uma guitarra portuguesa para oferta ao Governador de Goa.

Prevê-se a possibilidade de expansão da área de negócio no mercado internacional, pelo interesse que estes instrumentos musicais despertam, mas também pelo facto de existirem diversas comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

É pois com muita honra que recebemos a visita de Sua Excelência o Sr. Presidente da República, no sentido de dar visibilidade a iniciativas de jovens que valorizam os ofícios tradicionais e que promovem a transmissão de saberes que de outra forma se perderiam.

Música: Cavaco Silva visita sábado atelier de construtores de instrumentos de cordas

Lisboa, 13 Fev (Lusa) - Hugo Madeira e António Duarte decidiram em 2003 continuar em oficina própria o Atelier de Instrumentos Musicais de Cordas (AIMC), que é visitado sábado pelo Presidente da República no âmbito do Roteiro para a Juventude que iniciou hoje.

O AIMC, instalado em Carnaxide, na Quinta do Salles, pretende, segundo Hugo Madeira, "dar continuidade aos ensinamentos de Gilberto Grácio", construtor de instrumentos de cordas desde os 12 anos, seguindo o ofício do pai e do avô.

"Tudo começou num curso de formação profissional. Até aí nenhum de nós tinha qualquer inclinação para seguir esta profissão, mas foi-se ganhando gosto e decidimos montar este atelier", explicou à Lusa.

Actualmente, os dois fabricam guitarras portuguesas, violas de fado e clássicas, e bandolins, tendo alguns instrumentos sido exportados, nomeadamente guitarras portuguesas.
Alemanha e Índia são dois dos destinos e um terceiro foi o Canadá, por intermédio da Presidência da República, assinalou Hugo Madeira.

"Uma guitarra portuguesa - precisou - foi oferecida pelo Presidente da República a uma personalidade durante uma visita oficial ao Canadá".

Hugo Madeira, 33 anos, está confiante na continuidade desta arte, "nomeadamente pelo desenvolvimento que o fado tem tido e o interesse que os jovens demonstram".
Não perspectivando ainda virem a ter formandos, Hugo Madeira e António Duarte não descartam, todavia, essa possibilidade. "É cedo, estamos ainda a aprender", observou António Duarte, 34 anos.

Por enquanto, os dois vão contando com "o conselho avisado e experimentado do mestre Grácio", que representa uma terceira geração de construtores de cordofones, assinalou Duarte.
"Eu costumo vir aqui dar-lhes um olho, ver, aconselhar, mas não ganho nada com isto, é só por gosto", declarou, por seu turno, mestre Gilberto Grácio, 72 anos, que mantém "por entretém" uma oficina própria no Cacém (Sintra).

Durante a visita presidencial será dado um recital de guitolão, um instrumento idealizado e construído por mestre Grácio. "De 1974, quando Carlos Paredes me pediu para construir uma guitarra barítono, que tinha um braço mais comprido que a tradicional, até 2003, fui estudando, imaginando e construí o guitolão", explicou. Existem apenas dois guitolões, um no Algarve em casa de um particular, e outro é propriedade do músico António Eustáquio, que dará o recital.
Referindo-se à guitarra portuguesa, um dos instrumentos com mais saída, mestre Grácio considerou que, construí-la, implica "maturidade" e conhecimento das madeiras. Uma guitarra leva cerca de 180 horas a construir, utilizando-se diferentes tipos de madeira, nomeadamente nogueira americana, mogno e pinho abeto.
Até agora, os proprietários do AIMC, Hugo e António, fazem um saldo positivo da empresa, tendo até "esgotado praticamente" o stock de guitarras para este ano.
"Tem havido muito saída, mais do que esperávamos", referiu Hugo Madeira.

Cavaco Silva encerra sábado o Roteiro para a Juventude. Depois do AIMC, visita à tarde o Centro de Experimentação Artística do Clube Português de Artes e Ideias, em Barcarena.
NL.
Lusa/Fim